📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social

Ação do MPT busca reverter demissões no Ceitec feitas sem negociação prévia com sindicato

Empresa pública, que integra programa federal de desestatização, deve negociar com o Sindicato dos Metalúrgicos os termos de despedida de cerca de 180 empregados públicos; 34 deles foram demitidos antes da primeira reunião de negociação, marcada para esta sexta-feira

     O Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) ajuizou nesta segunda-feira (3/5) ação que busca garantir aos empregados do Centro Nacional de Tecnologia Avançada S/A (Ceitec) o direito de negociação coletiva prévia à dispensa em massa, prevista na legislação. Em janeiro, o MPT havia emitido notificação recomendatória enfatizando a necessidade da negociação com o Sindicato dos Metalúrgicos de Porto Alegre (Stimepa).

     O Ceitec, mesmo ciente da recomendação do MPT, comunicou a demissão de 34 empregados celetistas a partir de amanhã (5/5), antes da primeira reunião de negociação com o Simepa, marcada para sexta-feira (7/5). Na ação, o MPT pede liminar que impeça a demissão de empregados do Ceitec até que se concluam as negociações coletivas com o sindicato, e que reverta as demissões feitas a partir da deliberação de liquidação da empresa, em 11/2.

     Em definitivo, pede, além da confirmação dos efeitos da liminar, a condenação do Ceitec ao pagamento de indenização por danos morais difusos e coletivos de R$ 400 mil, em razão do descumprimento da legislação brasileira, reversíveis ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) ou a entidades beneficentes da Região Metropolitana. A ação foi ajuizada ontem pelo procurador do MPT Gilson Luiz Laydner de Azevedo e tramita na 18ª Vara do Trabalho de Porto Alegre.

      O Ceitec, estatal do ramo de tecnologia sediada em Porto Alegre, integra o Programa Nacional de Desestatização (PND). O MPT acompanha o caso desde denúncia feita pelo Stimepa. As negociações são necessárias, de acordo com o MPT, para mitigar os impactos da perda de emprego abrupta e para o respeito a princípios constitucionais fundamentais, como a função social da propriedade, a redução das desigualdades regionais e sociais e a busca do pleno emprego.

Ação nº 0020161-09.2021.5.04.0018

Texto: Luis Nakajo (analista de Comunicação)
Fixo Oi (51) 3284-3086 | Móvel Claro (51) 99977-4286 com WhatsApp | prt04.ascom@mpt.mp.br
www.facebook.com/mptnors | https://twitter.com/mpt_rs | www.instagram.com/mpt.rs

Tags: Maio

Imprimir