📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social
⚠️ Recomendação nº 3/2024: adoção de medidas de saúde e segurança do Trabalho em atividades de retomada

Dois jornalistas gaúchos conquistam fase regional Sul do 1º Prêmio MPT de Jornalismo

Eduardo Matos (rádio Gaúcha) e Paulo Roberto Tavares (jornal Correio do Povo) também concorrem em suas categorias na fase nacional

     O Ministério Público do Trabalho (MPT) anunciou os vencedores da fase regional do 1º Prêmio MPT de Jornalismo. Na região Sul, dois jornalistas que atuam no Rio Grande do Sul conquistaram a premiação. Na categoria jornal impresso, Paulo Roberto Souza Tavares, do Correio do Povo, venceu com a série de reportagens "Zumbis no Volante", publicadas de 4 a 7 de maio de 2014. Na categoria radiojornalismo, Eduardo Matos, da Gaúcha, ganhou com a sequência de matérias "Os Estrangeiros e a luta por trabalho", transmitidas nos programas "Gaúcha Atualidade" e "Chamada Geral 2ª Edição", de 16 de julho de 2014, e "Brasil na Madrugada", do dia seguinte.

     Jornalistas que atuam em Santa Catarina venceram nas categorias revista impressa (com reportagem publicada na Revista Proteção, editada em Novo Hamburgo), telejornalismo, webjornalismo e fotojornalismo. Não houve vencedores em menção honrosa de repórter cinematográfico na região Sul, nem em mídias sociais nas cinco regiões do País. O terceiro estado sulista, Paraná, não teve vencedores. Cada um receberá prêmio de R$ 5 mil, a ser entregue em cerimônia que realizar-se-á em Brasília, dia 11 de dezembro, às 19h. Na oportunidade, anunciar-se-ão os vencedores da fase nacional, cujo prêmio é de R$ 15 mil e tem os vitoriosos regionais como finalistas. Haverá, ainda, o prêmio especial “Fraudes Trabalhistas”, que receberá R$ 45 mil. No total, serão distribuídos R$ 310 mil para os vencedores.

     A comissão julgadora avaliou 542 trabalhos inscritos nas oito categorias. Foram selecionados 34 trabalhos, que venceram as premiações regionais e concorrem na nacional. Os trabalhos avaliados abrangeram os temas fraudes nas relações de trabalho; trabalho escravo contemporâneo; trabalho infantil; discriminação de gênero, cor e pessoas com deficiência; meio ambiente do trabalho; promoção da liberdade sindical; trabalho portuário e aquaviário; e irregularidades trabalhistas na administração pública. As reportagens avaliadas foram publicadas em veículos de todo o País, entre 1º de janeiro de 2013 e 31 de julho de 2014.

# Clique aqui para ler "Zumbis no Volante".

Paulo Roberto Souza Tavares
Paulo Roberto Souza Tavares

 # Clique nos links abaixo para ouvir "Os Estrangeiros e a luta por trabalho".

     1ª parte
     2ª parte
     3ª parte

Texto do repórter: A reportagem da Rádio Gaúcha constatou uma nova onda migratória no Rio Grande do Sul. Ganeses aproveitaram os vistos de turistas para a Copa do Mundo e decidiram ficar no Brasil, pedindo refúgio. O grande número de ingressos dos ganeses ao mesmo tempo ocorre a partir de Caxias do Sul, na Serra. O mesmo já havia ocorrido em 2012, com a entrada de haitianos em larga escala. A partir dessa nova onda migratória, decidimos pesquisar e ir a campo para saber como está a realidade dos estrangeiros que vivem ilegalmente no Rio Grande do Sul. Ao conversar com dezenas deles, entre senegaleses, argentinos, colombianos, ganeses e peruanos, foi possível constar a dificuldade que enfrentam em busca de uma vaga no mercado de trabalho. Por estarem com documentação irregular, o máximo que conseguem são pequenos bicos. Para sobreviver, recebem ajuda de voluntários, principalmente vinculados à igreja católica. Os que conseguem um trabalho, ganhou pouco e mandam mais da metade do salário para as famílias nos países de origem. Entre as fontes ouvidas, estão os estrangeiros, voluntários e representantes do Ministério da Justiça, Governo do Estado, Igreja, Ministério Público do Trabalho, Defensoria Pública da União e Polícia Federal.

Clique aqui para conhecer todos finalistas por nome, título da matéria e veículo.
 
Texto: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MTE/RS 6132)
Foto: Mauro Schaefer / Correio do Povo

Imprimir