☎️ O atendimento ao público, no horário de expediente, pelos seguintes telefones. O MPT-RS também atende por canais online.

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social
⚠️ Recomendação nº 3/2024: adoção de medidas de saúde e segurança do Trabalho em atividades de retomada

MPT obtém liminar contra GP Guarda Patrimonial, por fraude em demissões

Empresa simulava faltas de empregados para despedi-los por justa causa

     O Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) obteve liminar contra a GP Guarda Patrimonial, em ação civil pública (ACP) movida por conta de fraude em dispensas. Inquérito civil sob responsabilidade do procurador do Trabalho Ivo Eugênio Marques apurou que a empresa simulava faltas graves, que justificavam a dispensa por justa causa de vigilantes. Com a manobra, a empresa, sediada em Porto Alegre, deixou de pagar parcelas indenizatórias devidas no caso de dispensa imotivada.

     A liminar veda à empresa a utilização irregular da figura da justa causa para a despedida, notadamente o artifício de determinar aos empregados que fiquem em casa e depois os convocar para comparecer como se estivessem faltando ao trabalho, sob pena de multa de R$ 10 mil por oportunidade em que for constatado o descumprimento. A empresa também deve, quando determinar afastamento do trabalho, fazê-lo em documento datado e assinado, entregue a cada trabalhador, sob pena de multa de R$ 1 mil.

     A investigação do MPT revelou que a irregularidade está relacionada com a redução do número de funcionários necessários para prestar serviço ao banco Santander, com quem a empresa mantém contrato. Entre setembro e novembro de 2014, a demanda de postos caiu de 211 para 16. A investigação do MPT partiu de denúncias apresentadas por ex-empregados da empresa. Além da ACP, contra a GP, há em curso na Justiça do Trabalho ações individuais e ação coletiva, promovida pelo Sindicato dos Vigilantes (Sindivigilantes-RS).

    Em definitivo, o MPT requer a confirmação dos deveres postos pela liminar e a condenação da empresa ao pagamento de indenização, a título de danos morais coletivos, de no mínimo R$ 50 mil.

Clique aqui para ler a liminar

Clique aqui para ler a petição inicial da ACP

ACP nº 0020165-95.2015.5.04.0005

Empresa fica localizada na Avenida Prof. Oscar Pereira, número 2473, em Porto Alegre
Empresa fica localizada na Avenida Prof. Oscar Pereira, número 2473, em Porto Alegre

Foto: Manoella van Meegen (estagiária de Comunicação)
Texto: Luis Nakajo (analista de Comunicação)
Fixo Oi (51) 3284-3092 | Móvel Claro (51) 9124-3415
Supervisão: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MTE/RS 6132)
Fixo Oi (51) 3284-3066 | Móvel Claro com WhatsApp (51) 9977-4286 
prt4.ascom@mpt.mp.br | http://www.facebook.com/MPTnoRS | https://twitter.com/mpt_rs

Tags: Maio

Imprimir