📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social
⚠️ Recomendação nº 3/2024: adoção de medidas de saúde e segurança do Trabalho em atividades de retomada

MPT obtém liminar contra motel de Capão da Canoa por assédio sexual

Proprietário da empresa-ré deve se abster de praticar nos seus empregados quaisquer atos que possam configurar insistência importuna; multa por descumprimento é de R$ 10 mil por trabalhador assediado

     O Ministério Público do Trabalho (MPT) obteve liminar contra motel, em Capão da Canoa (RS), por assédio sexual praticado pelo proprietário da empresa. A procuradora do Trabalho Patrícia de Mello Sanfelici informa que o processo está em segredo de Justiça por constar dados protegidos pelo direito constitucional à intimidade. O juiz do Trabalho substituto Luis Fernando da Costa Bressan, do Posto de Capão da Canoa da Vara do Trabalho de Torres, deferiu o pedido de tutela provisória de urgência e/ou de evidência requerido em ação civil pública (ACP) do MPT e determinou que o réu "cumpra a obrigação de se abster de praticar contra seus empregados e empregadas quaisquer atos que possam configurar assédio sexual, resguardando-os de humilhações e constrangimentos, de atos vexatórios e agressivos e de qualquer perseguição, garantindo-lhes tratamento digno e compatível com sua condição humana". Em caso de descumprimento, a multa prevista é de R$ 10 mil por trabalhador assediado. O valor será revertido ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) ou a outra entidade, com concordância do MPT. O processo foi incluído na pauta de 10 de outubro.

     O MPT instaurou inquérito civil (IC), após intervir em processo judicial, no qual se relatou prática de assédio sexual por parte do proprietário da empresa ré, o que também teria atingido outras mulheres que lá trabalham. Em audiência administrativa no MPT, a vítima confirmou que o dono da empresa praticava diversos atos que configuram assédio sexual, e referiu que outras empregadas também sofreram tal assédio por parte do mesmo agressor.  O laudo psicológico produzido em juízo também constituiu prova suficiente para o ajuizamento da demanda.

     A procuradora Patrícia explicou que "a depoente ratificou o relatado na petição inicial, revelando com cores nítidas um ambiente laboral hostil e permeado de assédio sexual. Em suma, recolhem-se do depoimento pessoal da vítima e do laudo pericial realizado os principais requisitos para a configuração dessa modalidade de violência psicológica: constrangimento provocado por agente que assim age favorecido pela ascendência exercida sobre a vítima; de forma dolosa; pelo comportamento do agente que visa vantagem sexual; e sem o consentimento da vítima"

Texto: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MT/RS 6132)
Fixo Oi (51) 3220-8327 | Móvel Claro (51) 9977-4286 com WhatsApp
prt4.ascom@mpt.mp.br | facebook.com/MPTnoRS | twitter.com/mpt_rs

Tags: Agosto

Imprimir