📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social
⚠️ Recomendação nº 3/2024: adoção de medidas de saúde e segurança do Trabalho em atividades de retomada

Carrefour condenado a corrigir saídas de emergência em todo o país

Obstrução de portas põe em risco a vida de empregados

     A rede de supermercados Carrefour foi condenada a regularizar saídas de emergência em todas as unidades do Brasil. A rede deve providenciar saídas suficientes do prédio, com aberturas e vias assinaladas por placas, assegurar que os dispositivos de travamento permitam fácil abertura, sem que nenhuma delas seja trancada à chave, como observado na investigação do Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS). O descumprimento sujeita o Carrefour a multas. A rede também deve pagar indenização de R$ 200 mil por danos morais coletivos.

     A decisão da 3ª Turma do TRT da 4ª Região, tendo relatoria da desembargadora Maria Madalena Telesca, confirmou a sentença proferida em ação civil pública (ACP) movida pelo MPT em Santa Maria. O acórdão registra que "é flagrante a responsabilidade da demandada, no caso presente, em decorrência da não-observância de inúmeros deveres e regras legais que resultariam na preservação da saúde do trabalhador, omissões que podem resultar na configuração do dano (doença laboral incapacitante ou severamente redutora da capacidade e, inclusive, morte)."

     A ACP foi ajuizada em junho de 2014, com base em relatório de fiscalização realizada pelo Ministério do Trabalho (MT), em setembro de 2013, quando foi constatado o descumprimento de normas de segurança, além do que a empresa mantinha empregados trancados à chave dentro de seu estabelecimento.

     O procurador do Trabalho Jean Carlo Voltolini afirma na petição inicial que, além de risco à vida dos empregados, “houve violação da liberdade de locomoção, uma vez que a saída do subsolo do estabelecimento investigado encontrava-se obstruída durante toda a jornada de trabalho”. A chave da porta ficava sob responsabilidade de um funcionário, o que, de acordo com o procurador, extrapola o poder diretivo do empregador.

Clique aqui para acessar o acórdão

Clique aqui para acessar a sentença

ACP nº 0000576-03.2014.5.04.07

Texto: Luis Nakajo (analista de Comunicação)
Fixo: (51) 3220-8328
Supervisão: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MT/RS 6132)
Fixo Oi (51) 3220-8327 | Móvel Claro (51) 9977-4286 com WhatsApp
prt4.ascom@mpt.mp.br | facebook.com/MPTnoRS | twitter.com/mpt_rs

Tags: Agosto

Imprimir