📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social
⚠️ Recomendação nº 3/2024: adoção de medidas de saúde e segurança do Trabalho em atividades de retomada

212 mil casos de trabalho infantil foram registrados no Rio Grande do Sul em 2014, segundo PNAD

Mais de 3,5 milhões de brasileiros entre 5 e 17 anos trabalham no país, de acordo com Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

      É considerada trabalho infantil qualquer atividade - com as características de uma relação de trabalho, na qual o indivíduo estaria submetido ao comando de alguém - realizadas por pessoas que tenham idade inferior àquela mínima permitida pela legislação. No Brasil, o trabalho é admitido pela Constituição Federal somente a partir dos 16 anos. A partir dos 14 pode-se trabalhar como aprendiz, sob condições específicas e particulares.

     Segundo a coordenadora estadual da Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho de Crianças e Adolescentes (Coordinfância), procuradora do Trabalho Patricia de Mello Sanfelice, o alto índice de trabalho infantil no Rio Grande do Sul está relacionado, entre outros, a fatores culturais. “No nosso Estado, nós temos percebido uma forte influência cultural, muito originada da nossa colonização europeia, na manutenção da ideia de que o trabalho é bom e de que é melhor a criança eventualmente estar trabalhando do que estar em uma condição talvez mais complexa, como convivendo com drogas, por exemplo”, afirma a procuradora. “O que nós precisamos difundir e entender é que o trabalho só é admitido a partir de um determinado momento da vida. No momento da infância e início da adolescência a pessoa tem que estar voltada para outras atividades, destinadas à sua formação como sujeito, respeitada a sua condição de criança”, complementa.

     No Rio Grande do Sul, os maiores índices de casos de trabalho infantil estão no trabalho doméstico, na agricultura familiar e no comércio. “Por exemplo, no trabalho doméstico, tem-se a dificuldade de que muitas vezes o “empregador” é o próprio núcleo familiar, e muitas vezes o fato de o pai ou a mãe precisarem sair do núcleo para buscar o sustento acaba afetando a criança, que passa a assumir papéis que não são seus”, explica Patricia. Além de problemas no desenvolvimento escolar - que, em muitos casos, levam à evasão do aluno -, o trabalho infantil prejudica a própria formação da criança. “Por isso nós temos a necessidade de que os municípios passem a desenvolver cada vez mais politicas públicas de integração dessa criança em atividades próprias para sua idade”, finaliza.

Texto: Manoella van Meegen (estagiária de Jornalismo)
Supervisão: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MTE/RS 6132)
Fixo Oi (51) 3284-3066 | Móvel Claro com WhatsApp (51) 9977-4286
prt4.ascom@mpt.mp.br | www.facebook.com/MPTnoRS | https://twitter.com/mpt_rs

Tags: Maio

Imprimir