📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social

MPT-RS abre inquérito para investigar caso de suposto áudio discriminatório de rede de farmácias

Inquérito Civil (IC) foi instaurado na tarde de terça-feira  após denúncias recebidas pelo órgão

     O Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) abriu Inquérito Civil (IC) na tarde desta terça-feira (19/10) para investigar áudio que circula nas redes sociais elencando critérios discriminatórios no suposto processo de contratação de uma grande rede de farmácias no Estado. O caso está sob a responsabilidade da procuradora do MPT-RS Patrícia de Mello Sanfelici Fleischmann.

     O áudio começou a circular no fim de semana pelas redes sociais. Embora em nenhum momento o nome da rede seja mencionado, ele vem sendo compartilhado vinculando o caso às Farmácias São João, uma das maiores franquias farmacêuticas do Estado. Na gravação, que provocou uma onda de indignação nas redes sociais, uma funcionária que aparentemente ocupa cargo de gerência instiga seus colegas a adotarem critérios discriminatórios para contratação de novos trabalhadores, dando preferência à beleza dos candidatos e evitando a admissão de “pessoas muito tatuadas” ou “muito gordas”. O áudio também sugere que os responsáveis pela seleção não contratem pessoas de orientação sexual abertamente LGBTQIA+.

     Com o inquérito instaurado, o MPT-RS já notificou a empresa solicitando informações. A rede tem 10 dias para responder.

Imprimir