• Procuradorias
  • PRT Porto Alegre
  • Justiça do Trabalho aceita pedido de liminar feito pelo MPT-RS garantindo direitos a trabalhadores resgatados em Triunfo

📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social

Justiça do Trabalho aceita pedido de liminar feito pelo MPT-RS garantindo direitos a trabalhadores resgatados em Triunfo

18 homens foram encontrados confinados em uma fábrica clandestina de cigarros em operação conjunta da PF e da Receita Federal

Fábrica clandestina mantinha os trabalhadores confinados em regime de trabalho de 12 horas ininterruptas
Fábrica clandestina mantinha os trabalhadores confinados em regime de trabalho de 12 horas ininterruptas

     A Justiça do Trabalho deferiu liminar favorável a 18 trabalhadores encontrados em condições análogas à escravidão no município de Triunfo. Dezessete paraguaios e um brasileiro foram resgatados em uma fábrica clandestina de cigarros, no dia 19 de outubro. O flagrante ocorreu durante a Operação Tavares, realizada pela Polícia Federal em parceria com auditores-fiscais do Trabalho, Ministério Público do Trabalho (MPT), Ministério Público Federal e Receita Federal.

     Em ação ajuizada pelos procuradores do MPT-RS Rogério Uzun Sanfelici Fleischmann e Lucas Santos Fernandes (este último, coordenador regional da Coordenadoria Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, Conaete), o juiz Gilberto Destro, da Vara do Trabalho de Triunfo, determinou o bloqueio de mais de R$ 7,2 milhões do patrimônio do responsável pela fábrica clandestina, atualmente foragido.  Deste total, R$ 2,4 milhões são destinados ao pagamento de direitos trabalhistas e indenizações relativas a seguro-desemprego, restituição de telefones celulares, passagens e danos morais individuais. O restante, R$ 4,8 milhões, será reservado para o pagamento de danos morais coletivos. 

     Os valores foram requisitados pela Justiça do Trabalho à 11ª Vara Federal de Porto Alegre, onde tramita a ação criminal. Por terem natureza alimentar, os créditos trabalhistas têm preferência. Proferida segunda-feira (25), a liminar também proíbe o réu de manter a prática ilícita, sob pena de multa diária de R$ 50 mil por trabalhador.

Clique aqui para ler a liminar

A OPERAÇÃO

     Conforme o relatório da operação, os 18 trabalhadores foram encontrados no subsolo de um estabelecimento próximo à BR-386, em Triunfo. Não havia ventilação e luz natural no ambiente. Eles eram vigiados, não podiam sair do local e tiveram seus celulares recolhidos. A jornada era de 12 horas ininterruptas, sem descanso semanal, em precárias condições de segurança. Os trabalhadores também não receberam qualquer tipo de pagamento. Os 17 paraguaios e mais o brasileiro encontrado com o grupo, que também residia no Paraguai, foram convencidos a vir para o Rio Grande do Sul sob a promessa de trabalho digno, pelo qual receberiam R$ 200 por dia.

     Na liminar, o juiz Gilberto Destro destaca que os fatos revelam grave violação dos direitos humanos.  “Os trabalhadores foram submetidos a severa violência e condições análogas à escravidão, pois tolhidos da sua liberdade de locomoção, do respeito à intimidade, da preservação de contato social e familiar, dos cuidados da saúde e da prevenção de danos físicos e mentais”, sublinhou.

Texto: ASCOM - TRT / ASCOM MPT-RS

LEIA MAIS

19/10/2021 – Megaoperação contra produção de cigarros falsificados resgata 18 trabalhadores em situação análoga à escravidão em Triunfo

Tags: Outubro

Imprimir