📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social

Santander condenado por litigância de má-fé em processo por terceirização ilícita

Banco vem interpondo recursos e embargos desde 2009, quando foi proferida a sentença condenatória

     O banco Santander Brasil S/A foi condenado ao pagamento de multa por litigância de má-fé, em ação civil pública (ACP) movida pelo Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS). Na ação, que tem por objeto a terceirização ilícita de serviço de reparação, tratamento e processamento de documentos bancários, o banco foi condenado a pagamento de indenização de R$ 500 mil. O Santander ajuizou vários recursos. A multa foi aplicada por litigância de má-fé pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT4), por entender que o banco protelava a execução da sentença, proferida em abril de 2009. A multa é de R$ 5 mil.

     A terceirização ilícita se dava pela contratação da Transpev Processamentos e Serviços Ltda., em serviços tidos como essenciais e vinculados à atividade-fim do banco, os quais podem somente ser executados por empregados com vínculo empregatício direto e reconhecido, de acordo com a legislação. A denúncia, oferecida pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS), veio acompanhada de documentos que comprovavam também a precarização da relação de trabalho decorrente da fraude.

     Além do pagamento da indenização e da multa, equivalente a 1% do valor da causa, o Santander fica sujeito à multa adicional de R$ 1 milhão, caso reincida na prática, e à multa diária de R$ 1 mil por trabalhador da Transpev que ele deixe de registrar como seu empregado, com o recolhimento de todos os direitos reconhecidos pela legislação e anotação em carteira. A ACP foi ajuizada pelo então procurador do Trabalho Alexandre Corrêa da Cruz. Atuou no segundo grau a procuradora regional do Trabalho Maria Cristina Sanchez Gomes Ferreira.

Clique aqui para acessar o acórdão.

ACP nº 0066800-58.2006.5.04.0003

Texto: Luis Nakajo (analista de Comunicação)
Fixo: (51) 3220-8234 | Móvel Claro (51) 9124-3415
Supervisão: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MTPS/RS 6132) 
Fixo: (51) 3220-8236 | Móvel Claro (51) 9977-4286 com WhatsApp
prt4.ascom@mpt.mp.br | facebook.com/MPTnoRS | twitter.com/mpt_rs

Tags: Janeiro

Imprimir