📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social

MPT em Novo Hamburgo obtém liminar contra Stefanini, de São Leopoldo

Empresa deve obedecer a limitações de jornada e de pausas de trabalhadores em atividades de call center

     O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Novo Hamburgo obteve liminar contra a Stefanini Consultoria e Assessoria em Informática S. A, de São Leopoldo. A empresa deve obedecer à limitação da jornada de seus trabalhadores, que exercem funções de call center, de no máximo seis horas diárias e 36 semanais, com duas pausas de descanso de dez minutos, além de intervalo para repouso e alimentação, observando as disposições do anexo II da Norma Regulamentadora (NR) nº 17, voltada especialmente ao trabalho em teleatendimento. Caso descumpra a decisão judicial, a empresa fica sujeita ao pagamento de multa no valor de R$ 5 mil, por descumprimento, multiplicado pelo número de trabalhadores afetados.

     A ACP se baseia em inquérito civil, conduzido pela procuradora do Trabalho Fernanda Estrela Guimarães, a partir de denúncia anônima feita pelo site do MPT. De acordo com a denúncia, confirmada por fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregados da Stefanini trabalhavam acima de 8 horas ao dia, sem intervalos exigidos pela NR 17. A empresa se recusou a firmar termo de ajuste de conduta (TAC), proposto pelo MPT em 13 de agosto.

     Em definitivo, o MPT requer a confirmação dos efeitos da liminar e a condenação da empresa ao pagamento de indenização, a título de danos morais coletivos, no valor de R$ 300 mil, reversíveis ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). A ação é julgada pela 1ª Vara do Trabalho de São Leopoldo.

ACP nº 0021550-70.2015.5.04.0331

Texto: Luis Nakajo (analista de Comunicação)
Fixo Oi (51) 3284-3092 | Móvel Claro (51) 9124-3415
Supervisão: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MTE/RS 6132)
Fixo Oi (51) 3284-3066 | Móvel Claro com WhatsApp (51) 9977-4286 
prt4.ascom@mpt.mp.br | facebook.com/MPTnoRS | twitter.com/mpt_rs

Tags: Outubro

Imprimir