📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social
⚠️ Recomendação nº 3/2024: adoção de medidas de saúde e segurança do Trabalho em atividades de retomada

MPT obtém liminar contra Município de Rio Pardo

Prefeitura e SLP Serviços de Limpeza e Portaria estão proibidas de coagir os empregados no intuito de que eles façam declaração ou realizem ato contrário à sua vontade; também não podem dispensar trabalhadores em decorrência daqueles terem figurado como denunciantes ou testemunhas em inquéritos ou ações judiciais

     O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Santa Cruz do Sul obteve antecipação dos efeitos de tutela jurisdicional contra o Município de Rio Pardo e a SLP Serviços de Limpeza e Portaria Ltda - ME. Os dois devem absterem-se de coagir os empregados a fazer qualquer declaração ou realizar ato contrário à sua vontade, especialmente quando o motivo da conduta ilícita for o fato de o empregado ter testemunhado ou feito denúncias ao MPT ou a qualquer outro órgão e/ou emitido opinião diferente da desejada pelos réus. Também estão impedidos de dispensar os trabalhadores em decorrência de terem figurado como denunciantes ou testemunhas em inquéritos ou ações judiciais. Em caso de descumprimento, a pena é de multa diária de R$ 10 mil, reversível em favor de entidade a ser definida no decurso do processo.

     A decisão do juiz Celso Fernando Karsburg, titular da 1ª Vara do Trabalho de Santa Cruz do Sul, deu-se no bojo de ação civil pública (ACP) ajuizada pela procuradora do MPT Thaís Fidelis Alves Bruch. A referida ação baseia-se em provas colhidas em inquérito civil (IC), no qual se pode constatar a ocorrência de fatos graves, como, por exemplo, a contratação de empresa terceirizada para serviços de vigia, mesmo com a existência de 10 aprovados, mediante concurso público, para a mesma função, prática de coação dirigida aos trabalhadores terceirizados, para que estes testemunhassem fatos em dissonância com a realidade e a dispensa discriminatória de empregados que prestaram depoimento ao MPT.

Entenda mais

     A análise das atividades exercidas pelo vigia, conforme a Classificação Brasileira de Ocupações, e também descritas no edital do concurso público realizado pelo Município de Rio Pardo, bem como a análise das funções desempenhadas pelos ditos porteiros, com base na prova testemunhal colhida na investigação, revelam que houve fraude ao concurso público, com candidatos aguardando nomeação desde 2016, mediante a contratação de empresa terceirizada.

     Além disso, verificou-se que as testemunhas, ouvidas pelo MPT, foram coagidas pela empresa SLP e pelo município, a fim de que falassem em seu depoimento tese compatível com a regularidade da contratação da prestadora de serviço, ou seja, a execução de atividades que coincidem com as dos vigias, sob pena de demissão, inclusive havendo a prática de agressão a uma das testemunhas. Não bastasse isso, ficou evidenciado que trabalhadores foram dispensados em retaliação e sem o devido pagamento das verbas rescisórias no prazo legal.

Clique aqui para acessar a liminar.

Clique aqui para acessar a ACP.

Texto: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MT/RS 6132)
Fixo Oi: (51) 3284-3097 | Móvel Claro (51) 99977-4286 com WhatsApp
prt04.ascom@mpt.mp.br | www.facebook.com/mptnors | https://twitter.com/mpt_rs

Tags: Março

Imprimir